Pietro Erber, do INEE: MP 579, um desastre e duas questões

Muito tem sido comentado a respeito das consequências deletérias da MP 579, convertida na Lei 12783. No entanto, apesar do que representou para o setor elétrico e para o país, pouco ou nada se pergunta:

  • por que essa Lei ainda não foi revogada ou, pelo menos, porque as tarifas cobradas pelas geradoras, “cotizadas”, leia-se a maioria das usinas hidrelétricas das empresas controladas pela Eletrobrás, ainda não foram alteradas de modo a ressarcir plenamente seus custos de operação e manutenção?
  • será que os argumentos dos quais se valeram os autores daquela MP e os parlamentares que a aprovaram são válidos?

    Se a Eletrobrás dispende recursos para manter em operação essas usinas, que atendem a cerca de 30% da demanda do país, prejudicando seus acionistas e as condições da sua privatização, agora desejada pelo governo, deve haver alguma razão, que não seja inércia, esquecimento ou fortes interesses em contrário. Aguardemos uma explicação ou, de preferência, uma ação corretiva.

    A MP 579 não inovou em matéria de conceitos ou argumentos. Eles estavam presentes, propostos e defendidos por grandes consumidores e pelos utilizadores de chapéus alheios para fazerem suas gentilezas. Essencialmente, a MP 579 decorre da obsessão com a modicidade tarifária e de confundir o econômico com o contábil, de confundir valor e custo.

    A modicidade tarifária, que em princípio é uma virtude, exige modicidade de custos (e de impostos) para ser praticada. E o questionamento dos elevados níveis tarifários que vêm sendo cobrados, embora procedente, não deve omitir seus verdadeiros responsáveis. Já o discurso ainda frequente, embasado no raciocínio simplista que defende que a energia gerada por usinas, cujo investimento tenha sido amortizado, pode ser vendida a preços muito inferiores aos usuais, “porque o Mercado já pagou essa energia”, demanda uma análise bem mais elaborada do que a que apresento aqui.

    Se o conceito que embasou a MP 579 fosse válido, geraria um absurdo econômico: a empresa geradora deveria desativar a usina velha e construir uma nova, pois desta poderia auferir uma receita. Apesar do absurdo evidente, poucas foram as críticas ao fato de parte expressiva da energia gerada pelas usinas “cotizadas” ser vendida a preços até cinco vezes inferiores aos das demais hidrelétricas, embora os kWh gerados sejam idênticos.

    Para ler a íntegra do artigo clique em Pietro Erber, do INEE: MP 579, um desastre e duas questões

    Pietro Erber é Diretor do INEE
    05/10/2017


  • [Fonte: INEE]


    Leia também

    Pietro Erber, do INEE: Considerações sobre o Novo Modelo do Setor Elétrico

    O adiamento da alienação do controle acionário da União na Eletrobrás apresenta ao Governo a oportunidade de concentrar sua atenção na definição do modelo do setor elétrico, no qual o papel dess...
    Leia mais...

    Osório, Saudades

    Osório de Brito faleceu no dia 15 de maio, com 79 anos. Engenheiro eletricista formado pela Escola Nacional de Engenharia da Universidade do Brasil, pós-graduado em engenharia econômica pela UFR...
    Leia mais...

    Eletrobras: Chamada Pública Procel/Edifica

    A Eletrobras convida para a Chamada Pública Procel/Edifica, divulgando a seguinte mensagem:
    "Disseminar a eficiência energética em edificações brasileiras é uma tarefa que compete a todos nó...
    Leia mais...

    INEE divulga o Relatório de Atividades de 2017

    Em 2017, o INEE organizou, realizou e participou de seminários, realizou trabalhos de consultoria, publicou artigos e divulgou informações através de seus sites: www.inee.org.br, voltado para a ...
    Leia mais...

    Pietro Erber, do INEE: Reflorestamento e Geração Elétrica

    Pelo Acordo de Paris, firmado em 2015, o Brasil se comprometeu a desempenhar relevante papel na contenção do aquecimento global. Dentre os compromissos assumidos e previstos para serem implemen...
    Leia mais...

    Isabela Cardoso, do IPOG: Projeto Luminotécnico e Iluminação Eficiente no Setor Supermercadista

    Trata-se de uma pesquisa sobre projeto luminotécnico aplicado em comércio varejista de alimentos, com enfoque no segmento de auto-serviço – supermercados no contexto atual brasileiro. Como atrav...
    Leia mais...

    INEE: Substituindo Diesel por Etanol, um resumo do IV Seminário sobre Uso Eficiente do Etanol

    O INEE realizou a quarta edição do seminário, em 25 de outubro de 2017, no Centro Tecnológico da Mahle, em Jundiaí, onde ocorreu ampla e construtiva discussão sobre a substituição do óleo diesel...
    Leia mais...

    Palestras do IV Seminário sobre Uso Eficiente do Etanol

    A quarta edição do Seminário aconteceu no dia 25 de outubro em Jundiaí, São Paulo, no Tech Center da Mahle, organizado pelo INEE, com o patrocínio da Mahle e da Copersucar.

    O uso eficien...
    Leia mais...

    INEE: Descarbonizando o Setor Energético Brasileiro

    O texto a seguir foi preparado pelo INEE para o ICS - Instituto Clima e Sociedade – ICS, como um documento de suporte para uma reunião com o projeto AGORA para discutir alternativas para minimiz...
    Leia mais...

    Pietro Erber, do INEE: MP 579, um desastre e duas questões

    Muito tem sido comentado a respeito das consequências deletérias da MP 579, convertida na Lei 12783. No entanto, apesar do que representou para o setor elétrico e para o país, pouco ou nada se p...
    Leia mais...

    Jayme Buarque, do INEE: Etanol Pode Substituir Diesel?

    O INEE havia sido desaconselhado a fazer um evento sobre a substituição de óleo diesel por etanol porque sua densidade energética é cerca de 70% daquela da gasolina e apenas 60% daquela do diese...
    Leia mais...

    INEE divulga programa do IV Seminário sobre Uso Eficiente do Etanol

    O evento será realizado em 25 de outubro, no Jundiaí Tech Center da Mahle, com o patrocínio da Mahle e da Copersucar. As sessões do Seminário abrangerão os temas: tecnologias, usos e políticas, ...
    Leia mais...

    Jayme Buarque, do INEE: Etanol, o incompreendido

    A história do uso do etanol sofre avanços e recuos e é mal compreendida desde que o homem aprendeu a produzi-lo há 10 mil anos. Hoje é mais lembrado pelos malefícios associados às bebidas. Até o...
    Leia mais...

    INEE apresenta sugestões para as Propostas de Aprimoramento do Marco Legal do Setor Elétrico

    Em resposta à Consulta Pública 033 de 05/07/2017, o INEE apresentou, em 17 de agosto, observações que entende serem pertinentes aos objetivos indicados na Nota Técnica nº 5/2017/AEREG/SE.

    ...
    Leia mais...

    Inscrições abertas para o IV Seminário Sobre Uso Eficiente do Etanol

    O Seminário será realizado em 25 de outubro, no Jundiaí Tech Center da Mahle, com o patrocínio da Mahle e da Copersucar. A quarta edição do seminário sobre etanol eficiente vai discutir a substi...
    Leia mais...

    Newsletter Fale Conosco